Diário dos Carnaubais

MENU

Notícias / Policial

Piauí no Fantástico: Saiba como funciona esquema que já causou prejuízos de quase R$ 20 milhões

Na última semana, 30 pessoas foram presas no Piauí. Bandidos enganavam sistemas bancários para conseguir executar o golpe.

399
Publicidade
Piauí no Fantástico: Saiba como funciona esquema que já causou prejuízos de quase R$ 20 milhões
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Na última semana, 30 pessoas foram presas no Piauí acusadas de aplicar o golpe do empréstimo. Usando até carros de som para atrair as vítimas, bandidos enganavam sistemas bancários e causaram prejuízos de quase R$ 20 milhões.

Anderson Ranchel, ex-motorista de aplicativo, é apontado pela polícia como um dos líderes do esquema criminoso. Ele e outros três homens: Ilgner Bueno, Sávio Máximo e Handson Ferreira fraudaram quase R$ 6 milhões de um banco privado usando apenas celulares.

 

O golpe, que se espalhou por 24 estados, funcionava em duas frentes: em grupos de aplicativos - eles anunciavam empréstimos bancários facilitados, um dinheiro rápido e sem burocracia - e em um corpo-a-corpo, em locais escolhidos cuidadosamente. 

Muitos clientes que contrataram o empréstimo moravam em bairros na periferia de Teresina, onde três dos quatro líderes da quadrilha nasceram e cresceram, e conheciam a maioria dos futuros clientes. Assim, ficava mais fácil convencê-los a participar do esquema.

Depois de recrutar os clientes, era hora de executar o golpe. As contas eram abertas pelo aplicativo do banco; nome e CPF eram verdadeiros, mas as profissões eram fictícias. 

"Informando uma renda mensal que ele não tinha: R$ 40 mil por mês, por exemplo. Só que, assim que ele abria a conta, recebia um PIX de R$ 40 mil para que o motor de crédito do banco pensasse: poxa, essa renda é legítima", explica o delegado. 

Os líderes da quadrilha acessavam as contas e forjavam movimentações financeiras para enganar o sistema. Para acessar o dinheiro dos empréstimos, os fraudadores usavam máquinas de cartão ligadas a empresas de fachada. 

A polícia acredita que o grupo aplicou o golpe do empréstimo por pelo menos um ano e meio, tempo em que acumulou um patrimônio considerável. 

A defesa de Anderson Ranchel não quis se pronunciar sobre o caso.

Já os advogados de Handson Ferreira disseram, em nota, que os fatos serão efetivamente esclarecidos quando for possibilitado o contraditório e a ampla defesa.

As defesas de Ilgner Bueno e Sávio Máximo não retornaram os contatos do Fantástico.

Fonte/Créditos: g1

Créditos (Imagem de capa): A10+

Comentários:

Veja mais

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!